As Sufragistas

00:28

Título Original: Suffragette
Gênero: Drama, Histórico
Direção: Sarah Gavron
Elenco: Carey Mulligan, Helena Bonham Carter, Meryl Streep
Duração: 1h46min
Sinopse: No início do século XX, após décadas de manifestações pacíficas, as mulheres ainda não possuem o direito de voto no Reino Unido. Um grupo militante decide coordenar atos de insubordinação, quebrando vidraças e explodindo caixas de correio, para chamar a atenção dos políticos locais à causa. Maud Watts (Carey Mulligan), sem formação política, descobre o movimento e passa a cooperar com as novas feministas. Ela enfrenta grande pressão da polícia e dos familiares para voltar ao lar e se sujeitar à opressão masculina, mas decide que o combate pela igualdade de direitos merece alguns sacrifícios. (Fonte: AdoroCinema)





As Sufragistas é um drama britânico inspirado em fatos reais que retoma a trajetória do movimento feminista  em busca do direito ao voto para as mulheres na Inglaterra durante o início do século XX. O roteiro de Abi Morgan é dirigido por Sarah Gavron e acompanha a jornada de Maud Watts dentro do movimentos e da lutas das sufragistas após se distanciar de sua vida marcada e regulada pela vontade dos homens.

Maud é uma mulher que trabalha e uma fábrica lavando e passando roupas, seu marido trabalha no mesmo local e e a partir dali que eles sustentam seu filho pequeno. Apesar do chefe abusivo e as longas horas de trabalho,ela leva sua vida com tranquilidade e dentro da "normalidade" para a época. Isso é, até o momento em que Violet Muller começa a trabalhar na fábrica. Sendo uma verdadeira ativista pelos direitos das mulheres, Violet não tem medo de falar publicamente sobre as questões que defende e, lentamente, consegue atrair a atenção de Maud para a luta, para mulheres que estão fazendo a diferença, como Edythe Ellin e Emmeline Pankhurst. Até o ponto em que Maud se vê tão envolvida pelo movimento, acreditando tão fortemente em seus direitos que ela está pronta para dedicar-se completamente à causa feminista.

Créditos: Brigitte Lacombe

Em um panorama simples e inteligente, o filme consegue mostrar como cada uma das ações e perspectivas sociais eram completamente misóginas e machistas e como essas posturas já estavam se mostrando falhas, ignorantes e preconceituosas para as ideias e vontades que estavam se fortalecendo. E escancara isso para o público de diferentes formas, seja com a imagem repugnante de Norman Taylor, o chefe intransigente e estuprador ou do marido Sonny Watts, que não conseguia conceber em sua mente o porquê de Maud precisar lutar pelo seu direito ao voto e menos ainda sua responsabilidade para com o filho e a manutenção da casa - "isso não é o que se espera de um homem" - ou seja, ainda, com a do inspetor da polícia Arthur Steed, que por mais que possa, por uma segundo, entender a perspectiva das mulheres, vê as sufragistas simplesmente como baderneiras, como pessoas que estão perturbando a ordem pública.

As Sufragistas consegue expor de forma algumas vezes sutil e outras explícita a forma como a sociedade se porta perante as mulheres e as consequências que podem ser encontradas tanto em suas vidas privadas como públicas. A luta pelo direito básico de votar acaba incluindo o desejo básico de serem reconhecidas pela sociedade como cidadãs, como partes ativas e essenciais para o desenvolvimento e convívio nessa. Afinal, se elas trabalham, contribuem economicamente e socialmente, porque seriam privadas de participar das decisões da própria realidade? O filme consegue demonstrar de uma maneira tão simples e clara que tem algo incrivelmente errado com essa sociedade que passa a ser despretensiosa a forma como nos aproxima e emociona.

O momento em que o engajamento de Maud na luta feminista passa a ser algo realmente importante, coisa que durante boa parte de sua vida ela nunca realmente deu atenção, a sua vida particular também passa a ser afetada, e de uma forma que tem o potencial de minar toda a vontade dela. Entretanto, as dificuldades enfrentadas nas relações com seu filho e seu marido nada mais são do que o reflexo da realidade e das leis machistas e misóginas que caracterizam a Inglaterra do século XX (e muitas sociedades atuais, se formos encarar de maneira minimamente crítica a nossa própria realidade), o que desencadeia uma determinação e uma paixão ainda mais fortes em Maud. Tudo o que ela, e as milhares de mulheres exatamente como ela, deseja é que seus mínimos direitos sejam garantidos, que um pouco de igualdade exista pela primeira vez em sua vida.



A escolha da equipe de roteiristas de uma mulher que de início não tem nenhuma proximidade ou simpatia em especial para com o grupo feminista para ser a personagem principal do filme foi algo extremamente inteligente. É através das próprias descobertas, mudanças e desenvolvimentos de Maud que o espectador se aproxima da causa, e isso ocorre de uma forma tão sutil e genuíno que acaba dando lugar a um envolvimento social, emocional e ideológico. O filme consegue demonstrar que mesmo aqueles que não possuem nenhuma especialidade política ou ainda que não teve uma consciência política desde o início conseguem entender o porquê, a necessidade e a fundamentação daquilo que as mulheres defendem.

Além de tudo isso, há o diálogo com a atualidade de forma incrível, e não teria como não ser assim. Ao final e mesmo durante o filme é impossível não se fazer comparações e reflexões. Comparações e reflexões em relação a própria sociedade, o quanto de avanço foi conquistado em um século no que diz respeito aos direitos das mulheres e o quanto ainda permanece o mesmo, os traços que podem ter perdido um pouco a força, mas que ainda estão presentes no dia a dia, as lutas que ainda precisam ser enfrentadas e as repressões, tanto política quanto social, que ainda são sofridas. O longa não só levanta essas discussões, percepções e críticas como incentiva o espectador a fazer o mesmo, e alcança uma profundidade enorme nesse sentido.


As Sufragistas é um filme que mais do que vale a pena ser assistido, vale também ser problematizado e refletido. Com um elenco maravilhoso, uma produção e um roteiro comovente, inteligente, sutil e inteiramente necessário é um longa super recomendado a todos, a simpatizantes ou não do movimento feminista ativista, a militantes ou não; a história vale para todos.

Trailer





You Might Also Like

22 comentários

  1. Oii, tudo bem?
    Realmente eu não conhecia este filme, e adorei principalmente pelas atrizes, sou louca por essas duas kkkkkkkkkkk bem famosas não é? Adorei que você tenha explicado sobre o filme, soube me cativar.
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Nossa eu não conhecia esse filme, mas que elenco heim, e tem minha diva Merry <3
    Irei assistir certeza, parabéns.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Quero MUITO assistir a esse filme. Adoro o tema, a premissa me instiga e esse elenco maravilhoso só me deixa ainda mais instigada pelo filme.

    ResponderExcluir
  4. Ainda não conhecia o filme, mas o entusiasmo que você coloca na descrição me faz acreditar que seja um bom partido. Parabéns pela resenha. :D

    Beijos
    Te convido a me visitar, também! ♥
    • Sentido Literário •

    ResponderExcluir
  5. Olá, já tinha ouvido falar desse filme estou muito a fim de ler ;)

    Beijokas da Quel ¬¬
    Literaleitura

    ResponderExcluir
  6. Confesso que nunca ouvi falar nada sobre esse filme, e embora não seja um assunto que eu curta muito eu acho que o assistiria quando possível.


    Frases, Trechos e Pensamentos

    ResponderExcluir
  7. Olá, muito bom o seu post. Já havia visto alguma coisa sobre ele antes do lançamento, mas é a primeira resenha dele que leio. É um filme que quero assistir e acho que todos deveriam assistir, para entender um pouco melhor a carga histórica que as mulheres ainda carregam na busca por seus direitos. Vou compartilhar o post no twitter.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Esse é o tipo de filme que me faz ir ao cinema, coisa que não gosto. Fora que as atrizes escolhidas é uma tentação, e que texto incrível o seu, gostaria de chegar em todos os blogs e encontrar bons textos como esse. Vou indicar na fanpage do Poesia na alma e na Mulheres na literatura. Parabéns pela excelência das palavras.

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Meu deus eu preciso assistir este filme.
    Antigamente eu não costumava assistir filmes com temas assim, mas ultimamente eu estou gostando muito desses temas históricos, eles tem tantas coisas para nos passar que é impossível não se gostar.
    Gostei muito do elenco.
    Parabéns pela ótima resenha.

    Beijos
    http://ummundochamadolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Ai, eu estou doida para ver esse filme, desde a sua estréia, mas infelizmente não pude conferir no cinema. Além de um elenco hiper-mega competente (qual é Meryl Streep e Helena Bonham Carter em um filme só? elas são grandes atrizes, ou ao menos eu sou muito fã delas) a história parece ser muito envolvente.

    http://umreinomuitodistante.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Oi.
    Nunca tinha ouvido falar do filme, o que me é estranho por ser protagonizado por grandes atrizes. Acho que aqui no Brasil eles não investem muito na divulgação deste tipo de filme. O assunto abordado também é muito interessante e vale a pena ser assistido.
    Beijos
    Blog Relicário de Papel
    relicariodepapel.wordpress.com

    ResponderExcluir
  12. Oiie
    nossa, que bom que gostou tanto do filme, fiquei realmente curiosa depois da sua resenha e já estava bem curiosa pelos comentários que escuto sobre o filme, muito interessante o tema

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oie,

    Fiquei muito curiosa com o filme, temas históricos sempre me chamam atenção tanto apara livros como para filmes. Eu não o conhecia, e ele parece muito mais muito bom. Irei fazer de tudo para conseguir assistir !

    Mayla

    ResponderExcluir
  14. Que elenco de peso!
    Adorei ler seu post e conhecer mais sobre esse filme tão bem falado. Agora fiquei morrendo de vontade de assistir! E por saber que foi inspirado em fatos fiquei ainda mais empolgada!
    Ótimo post!

    ResponderExcluir
  15. queria ter visto no cinema mas nemd eu :(
    Vou esperar ter um tempinho pra ver em casa mesmo, a temática muito me interessa, e ver Meryl em cena é sempre um deleite...
    adorei a fotografia do filme, me deixou ainda mais curiosa pra ver...

    ResponderExcluir
  16. Oie, tudo bem? Estou com muita vontade de ver esse filme, mal posso esperar pra sair em dvd ou na Netflix logo!

    ResponderExcluir
  17. Oiii
    Eu não conhecia o filme! Mas parece ser ótimo! Tema maravilhoso e elenco incrível!
    Bjus

    ResponderExcluir
  18. Adoro filmes baseados em fatos reais. Assistir filmes assim é um jeito divertido de aprender um pouco mais de história.
    Logo mais vou assistir.
    Bj
    Camila Bernardini Coelho

    ResponderExcluir
  19. Quero muito ver esse filme, quero problematizar e entender. Especialmente quero admirar essas mulheres.
    Adorei a resenha, espero voltar aqui quando ver o filme.
    Angel Sakura
    www.euinsisto.com.br

    ResponderExcluir
  20. oi
    não conhecia o filme,mas quero assistir
    dica anotada...esse elenco é incrível
    bjs

    ResponderExcluir
  21. Oi, tudo bem?
    Eu confesso que não gosto muito de ver nada, seja filmes ou séries, não tenho o hábito, sabe? Mas adoro um drama e saber que esse é baseado em fatos reais me deixou mais animada ainda, vou tentar ver algum dia.

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  22. Oii, tudo bem?
    Amei o enredo do filme, me interesso muito pela causa feminista, e como uma amante de filmes que sou, quero ver logo. Adorei sua resenha, parabéns, me convenceu muito a ver o filme.

    Beijos

    ResponderExcluir

Popular Posts

recent posts

Flickr Images